5 motivos para amar A Bela e a Fera

Na última quinta-feira estreou no Brasil a versão live-action de A Bela e a Fera, meu conto de fadas preferido da Disney. Como era de se imaginar, criei muitas expectativas em cima do filme, mas ainda bem que todas elas foram cumpridas – e algumas superadas. Por isso, resolvi contar o que achei e dividir com vocês os motivos pelos quais todos deveriam ir ao cinema assistir:

1. O filme é uma obra de arte

Resultado de imagem para beauty and the beast gaston gif 2017

A fotografia do filme é sensacional, digna de Oscar, na minha opinião. A maquiagem e os figurinos são lindos! No caso da Bela, por exemplo, dá pra ver que cada detalhe foi muito bem pensado para tornar o look cuidadosamente desconstruído. As cenas de baile são incríveis, a trilha sonora casa perfeitamente com a história, enfim, só tenho elogios para fazer.

2. É bem fiel à versão original

Quem é muito fã da história, como eu, pode ter ficado preocupado com a possibilidade de mudarem muita coisa, mas isso não acontece. As cenas, as músicas e os diálogos são bastante fieis à animação. Algumas vezes são até melhores, se é que isso é possível. Ok, confesso que estranhei um pouco no primeiro contato com os personagens “objetos”, que são menos fofos que no desenho, mas logo essa sensação passou e consegui embarcar direitinho no enredo. A cena em que a Bela sobe a colina e canta que “quer mais que a vida do interior” é simplesmente idêntica à original, o que me fez dar aquela choradinha básica de emoção.

3. A Bela é muito girl power

Bela sempre foi minha princesa favorita da Disney, exatamente porque na real ela foge dos estereótipos de princesa delicada e frágil. Ela adora ler, é inteligente, inventiva e não se contenta em viver uma vida limitada como a das pessoas da pequena vila onde mora. No filme, conseguiram colocar ainda mais elementos feministas na personalidade da Bela, como a tentativa de ensinar outras meninas a ler e o fato de se recusar a fazer os serviços domésticos braçais só porque é mulher. Além disso, é impossível dissociar as ações de empoderamento que a Emma Watson (que está ótima no papel de Bela) faz na vida real com as de sua personagem. Sério, muito girl power.

4. Os personagens são muito humanos

Beauty And The Beast beauty and the beast GIF

O elenco foi muito bem escolhido! Cada um dos atores conseguiu dar vida ao seu respectivo personagem com maestria. Você consegue identificar a personalidade e se envolver com todos eles, desde os criados do castelo até o Maurice, que ganharam mais contexto e participação na história. A Fera, em específico, me encantou. O personagem é cheio de sutilezas e, ao longo do filme, é possível perceber claramente o quanto ele vai mudando, deixando de ser um monstro sem sentimentos e se tornando mais… humano. ❤

5. Gaston e LeFou roubam a cena

Resultado de imagem para beauty and the beast lefou gif 2017

LeFou não é mais só um bobão que segue o Gaston para cima e para baixo. Ele tem muito mais participação na história, é mais crítico e questionador, dá o tom cômico para o enredo, além de ser o primeiro personagem assumidamente gay da Disney. Já o Gaston dessa versão é muito mais mau – e charmoso, confesso – que da primeira. Todas as cenas em que a dupla aparece são sensacionais e já valem o ingresso. 🙂

Eu poderia escrever mais um milhão de motivos pelos quais eu amei a versão live-action de A Bela e a Fera, juro! Mas por fim, só gostaria  de reforçar que, quem é fã da história como eu e está com receio de se decepcionar, deve enfrentar esse medo e ir ao cinema mais próximo. Garanto que ninguém vai se arrepender! 🙂
Resultado de imagem para beauty and the beast belle book gif 2017

Leituras da semana

coffee, cool, laptop, library, music

Neste espaço eu compartilho com vocês alguns links e postagens interessantes que li durante a semana:

♥ Como a meritocracia contribui para a desigualdade

♥ Repensar nossas escolhas de consumo é pensar no bem coletivo

♥ Dicas úteis para reduzir os custos com compras de mercado

O que é renda básica universal e como ela pode construir um mundo onde trabalho seja sinônimo de propósito

♥ Quanto custa ser “feminina”?

* Imagem retirada daqui

O que é felicidade para você?

No feriado de Carnaval, aproveitei para ficar em casa e me integrar ao bloco “Unidos da Netflix”. Estava a fim de assistir algum documentário (adoro esse estilo) e, na busca, me deparei com o filme Happy. A obra de 2011 se propõe a investigar, pelos quatro cantos do mundo, o que é a felicidade genuína quais as causas que nos levam até ela (assistam, é muito legal!).

A parte do filme que mais me chamou a atenção é quando falam que nossa felicidade é determinada 50% por aspectos genéticos, 10% por circunstâncias como onde se vive, idade, status social, bens materiais, etc. e, pasme, 40% por ações intencionais (ou seja, por coisas que escolhemos fazer).

https://i2.wp.com/lounge.obviousmag.org/inspirese/porcentagens.png

Fiquei pensativa sobre o tema (adoro documentários porque eles causam isso em mim) e resolvi refletir sobre o que a felicidade significa para mim. Em um sentido mais amplo, acredito que a felicidade está em viver uma vida tranquila, com poucas preocupações, sem ansiedade, sem pressa.

Depois disso, fiquei pensando sobre alguns aspectos da minha vida que poderiam ser diferentes, coisas que eu poderia fazer para tornar meu dia-a-dia mais leve e feliz. Cheguei à conclusão de que algumas coisas só dependem de mim mesma para mudarem e resolvi listar algumas ações que pretendo colocar em prática:

  • Ouvir mais músicas calmas e relaxantes
  • Cuidar mais de mim mesma e do meu bem estar
  • Meditar e acalmar a mente com mais frequência
  • Voltar mais cedo e não trazer trabalho para casa
  • Aprender a filtrar as coisas ruins e absorver as boas
  • Me afastar de pessoas tóxicas (e não me deixar influenciar por aquelas de quem não posso me afastar)
  • Transformar preocupações em ações práticas – e depois relaxar
  • Me comunicar de forma não-violenta
  • Gastar menos dinheiro com coisas, e mais com experiências
  • Prestar mais atenção às belezas do dia-a-dia
  • Passar mais tempo de qualidade com as pessoas que eu amo

Algumas vezes nós nos deixamos atropelar pela rotina e acabamos não tomando o controle sobre as nossas próprias ações. Por isso, é sempre importante retomar essa reflexão e começar a agir de maneiras que nos aproximem mais do que entendemos por felicidade. Só depende de nós mesmos 😉

* Imagens retiradas daqui e daqui

Leituras da semana

avocado, flowers, food, healthy, home

Neste espaço eu compartilho com vocês alguns links e postagens interessantes que li durante a semana:

Especial 8 de Março – Dia Internacional da Mulher

♥ O Dia da Mulher não é pra ser comemorado

♥ A moda como ferramenta de empoderamento e porque nós, mulheres, devemos ir juntas

♥ Por que consumir eticamente é uma questão feminista

♥ Aprender com o passado, mudar o presente e construir o futuro da mulher na sociedade

♥ Um exemplo (raro) de ação de marketing bacana de um time de futebol pela igualdade de gênero

Demais links

♥ O minimalismo pode ser uma forma de consumo elitista

♥ Corpos mudam – e tudo bem

♥ A felicidade é a subida na montanha, não seu topo

♥ A importância do resgate dos saberes ancestrais

♥ 17 maneiras simples de demonstrar amor a si mesmo

* Imagem retirada daqui

Minha experiência com o coletor menstrual

Faz algum tempo que eu estava pensando em abrir mão dos absorventes tradicionais e mudar para o coletor menstrual, principalmente por ter lido muito sobre o assunto na internet, mas sempre rolava aquela pobreza preocupação: será que vou me adaptar?

Há cerca de dois meses, depois de ver um anúncio de promoção no Facebook, minha irmã disse que estava planejando comprar e me perguntou o que eu achava de comprar um kit (com 2 coletores) pra gente dividir. Topei, usei durante dois ciclos, e hoje venho contar para vocês como foi minha experiência.

O meu coletor é da marca Fleurity e o kit com 2 copinhos custou R$89,90 (ou seja, cada um saiu por R$44,95). Antes de usar, li algumas resenhas na internet e confesso que fiquei um pouco com medo porque diziam que ele é muito molinho, mas resolvi testar mesmo assim.

Minha primeira tentativa foi um fiasco. Não conseguia colocar e, quando consegui, ele não abriu. Não sei exatamente o que houve, mas tentei mais algumas vezes e aos poucos fui me adaptando. Ao contrário do que dizem, minha primeira impressão foi de muito incômodo, principalmente com o cabinho. Ao mesmo tempo, achei que o cabinho é útil na hora de retirar, então não pretendo cortar por enquanto.

Outro ponto negativo é que tive cólica durante todo o ciclo, o que não é comum para mim, e principalmente na hora de colocar e de tirar. Nos primeiros dias, ele vazou um pouco – bem pouquinho mesmo, mas nada que me incomodasse. Eu sempre lembrava que estava com ele, mas vamos combinar, com absorvente descartável também seria assim, né?

Depois de 2 dias, já estava bem adaptada. É tranquilo de tirar, inclusive em espaços menores (alô, banheiro da firma!), e higienizar. Eu troco a cada 12 horas, que é o recomendado, e achei bem de boa. Dá pra passar todo esse tempo e o copinho não enche (tenho um fluxo de médio a intenso).

Resumindo:

Pontos negativos:

  • Até eu pegar o jeito, foi muito difícil colocar
  • É bem menos prático que um absorvente descartável (tem que ferver antes e depois de cada ciclo, dá trabalho pra colocar, retirar e higienizar a cada troca)
  • Nada insuportável, mas é um pouco incômodo sim
  • Senti uma cólica leve durante todo o tempo, que ficava mais forte na hora de colocar e de tirar
  • Nos primeiros dias vazou um pouquinho
  • Dá vontade de cortar o cabinho, mas ele foi necessário na hora de retirar

Pontos positivos:

  • Reduzir o impacto ambiental, tanto da produção quanto do descarte de absorventes comuns
  • O preço é alto, mas se paga. Melhor pagar cerca de R$50,00 em um coletor que dura 10 anos (segundo o fabricante) do que gastar R$4,00 por pacote de absorventes descartáveis
  • O coletor permite conhecer melhor nosso próprio corpo
  • Achei tranquilo esvaziar, não faz sujeira
  • Ele segura 12 horas de fluxo tranquilamente, sem encher
  • É de silicone hipoalergênico, então o risco de infecção ou irritação é baixíssimo
  • Dá pra fazer malhar, correr, nadar sem se preocupar com sair do lugar
  • Não sei sobre as outras marcas, mas a Fleurity tem uma política de devolução que garante o reembolso do seu dinheiro caso você não se adapte

Conclusão: Como tudo na vida, tem vantagens e desvantagens. Não é o mar de rosas que eu ouvia falar, mas se você se preocupa com o meio ambiente e com o próprio bolso (eu espero que se preocupe), vale a pena testar! 😉

* Imagem: blog Coisas de Diva

Leituras da semana

apple, bed, bedroom, coffee, comfortable

Neste espaço eu compartilho com vocês alguns links e postagens interessantes que li durante a semana:

♥ Em que momentos nós deixamos de gostar do que é simples?

♥ Quais filmes do Oscar 2017 passam no “teste do sexismo”

♥ Como mudar de vida quando não se tem tempo

♥ A graça de andar está nas surpresas passo após passo

♥ 15 dicas para uma vida minimalista

* Imagem retirada daqui