Quando a jornada é interna

Adventure is out there

 

Desde que comecei a acompanhar blogs sobre minimalismo, me chama a atenção a quantidade de pessoas que resolveram abandonar o que tinham (casa, emprego de carteira assinada, renda fixa) para viver o sonho de viajar pelo mundo. Não tenho dúvidas quanto à riqueza cultural de uma experiência como essa, porém, não me imagino fazendo o mesmo.

Sempre me considerei uma pessoa que gosta de segurança, que cria raízes fortes e que não gosta de se desprender das coisas que conquistou. Quem me vê de fora pode me perceber como uma pessoa “certinha”, prudente demais e pouco aventureira. Mas ultimamente tenho percebido que esta não é bem a realidade, e sim um rótulo que colocaram em mim e ao qual tenho procurado me encaixar desde então. A verdade é que sou uma pessoa de ciclos, que se apega às pessoas e às situações apenas enquanto estas fizerem sentido. A minha jornada não é viajar pelo mundo em busca de novas experiências, mas sim mergulhar em mim mesma para perceber o que é válido manter e do que preciso me desapegar. Minha jornada é interna.

Pode ser influência do meu signo astrológico (Escorpião), ou um traço de personalidade, não sei, mas esse poder intenso de mudança e transformação sempre fez parte de mim. Ainda que externamente não transpareça, por dentro estou sempre em estado de metamorfose. Acredito que é impossível progredir se não aceitarmos que as transformações são parte da vida, e que começo e fim são aspectos de um mesmo todo. Devemos aceitar que o tempo passa, as rotinas mudam, as coisas mudam, as pessoas mudam. Por isso, ao meu tempo e sem impulsividade, aceito e abraço as mudanças que se apresentam à minha frente, mesmo que para isso seja necessário abrir mão de muita coisa.

Não julgo mal quem decide tirar um período sabático para poder viajar, pelo contrário. Acredito que qualquer forma de entrar em contato com aspectos mais profundos de si mesmo é muito válida (e se deparar com uma cultura totalmente diferente da sua é uma dessas formas). Porém, para mim, não adiantaria muito viajar pelo mundo em busca de algo que só encontraria internamente. Por isso, vez ou outra procuro encaixar um “período sabático interno” na minha rotina normal, momento em que me recolho aos meus sentimentos e questões internas, analiso os conflitos que estou vivendo e repenso as decisões a serem tomadas. Dessa forma, vou me re-conhecendo, me redescobrindo, morrendo e renascendo das cinzas. Afinal, toda borboleta precisa de um período dentro do casulo para poder se transformar.

* Imagem retirada daqui

Anúncios

4 comentários sobre “Quando a jornada é interna

  1. Adorei a reflexão, Mari! Não existem regras para o mergulho dentro de si, contanto que estejamos conscientes de que precisamos enfrentar algumas coisas, tirar outras debaixo do tapete… ainda que não mudemos de cidade/país. O importante é reconhecer a necessidade de resolver situações que ficaram mal resolvidas… de enfrentar os “bichos papões” dos porões da nossa mente… Excelente esse texto!

    Beijos

    Curtido por 1 pessoa

    • Exatamente, Bruna… Cada um deve encontrar a forma mais eficaz de mergulhar em si mesmo. Algumas pessoas gostam de viajar, outras preferem cuidar de um jardim, não importa. O que vale mesmo é encarar os medos e dúvidas de frente, sem receio de se aprofundar nesse “mergulho” 😉
      Beijos e obrigada pela visita!

      Curtir

  2. Oi, Mari! Eu sou uma das que saiu viajando, rs. E fiz uma bela jornada interna também. Concordo com você que uma coisa não está ligada à outra: a gente pode viajar muito sem sair do lugar! É uma questão de se dispor.

    Adorei a minha aventura, mas não acho que esse tipo de experiência vai deixar todo mundo igualmente infeliz. Tem gente que não gosta de viajar, ponto. Tem gente que gosta de ir e voltar. Tem gente que não quer abrir de certas coisas pra sair por aí. E tá tudo valendo. A vida é feita de escolhas.

    Achei interessante você contar que não se imagina fazendo o mesmo. Eu também não me imaginava, viu? A vida dá muitas voltas…

    Beijos e boa sorte nas suas jornadas, interiores e exteriores!

    Curtido por 1 pessoa

    • Oi Lud,
      Fiquei muito feliz em receber seu comentário!
      Imagino quão rica deve ser a experiência de viajar pelo mundo, conhecer novas pessoas, linguagens e culturas diferentes. E que bom que você escolheu combinar os dois tipos de jornada! 😉
      Beijos e volte sempre!

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s