Minimalismo é uma questão de equilíbrio

aesthetic, alternative, city, cofee, grunge

Para quem acompanha blogs de minimalismo e se interessa pelo assunto como um todo, é comum ver na internet relatos de pessoas que abandonaram a vida “padrão” que levavam e decidiram virar nômades digitais, ou mesmo construir uma vida mais pacata no interior. Meu intuito aqui não é invalidar esse tipo de experiência, pelo contrário, pois considero de uma coragem imensa abandonar um estilo de vida que fomos treinados a vida toda para desejar em prol de um propósito maior. Mas será que só assim é possível viver o minimalismo em sua essência?

Recentemente assisti ao tão falado documentário Minimalism: A Documentary About the Important Things. Pra quem não sabe, o documentário foca na turnê de lançamento de um livro escrito por dois blogueiros especializados em minimalismo. Ao longo do filme, outros minimalistas famosos também dão seus depoimentos. Em sua maioria, os relatos enaltecem alguns aspectos como ter um número limitado de objetos ou abandonar empregos com salários altos para viver uma vida minimalista. Enfim, achei o documentário ok, mas talvez por já pesquisar sobre o assunto há um bom tempo, não me acrescentou nada de mais e com certeza não mudou minha vida.

Além disso, depois do filme, me peguei pensando sobre essa espécie de “cobrança” que existe no mundo do minimalismo, como se viver em uma cidade grande, ou ter um emprego em horário comercial, ou ter uma coleção de objetos favoritos fossem motivos para confiscarem minha carteirinha de minimalista, hahah. Na minha percepção, não é bem assim. Não importa quantos objetos você tenha, ou quanto você ganhe, ou onde você viva, se tudo o que está na sua vida tem um propósito, então você pode se considerar minimalista.

Eu, por exemplo, moro em uma capital, tenho um trabalho “tradicional”, de carteira assinada e em horário comercial. Moro em um apartamento sem área externa e meus móveis não são brancos no estilo escandinavo. Quando chego em casa cansada, minha casa às vezes fica uma bagunça. E tudo bem, sabe? Nada isso faz de mim menos minimalista. Em primeiro lugar, porque o minimalismo é um exercício diário, ele nunca chega a um estado da arte, e sim está em constante construção. Em segundo lugar, porque as pessoas são diferentes e não acredito em nenhum estilo de vida que estipule regras a serem seguidas.

Por fim, gostaria de acrescentar um outro ponto de vista que nem sempre é mostrado: certas atitudes tidas como minimalistas podem, sim, ser bastante classistas. Já parou para pensar que renunciar a um estilo de vida confortável (com carro, salário alto, poder de compra) é um privilégio de poucos? A grande maioria da população nem sequer tem acesso a esse tipo de coisa. Acho insensato rotular algumas pessoas como “superficiais” ou até mesmo “egoístas” quando compram roupas em um fast fashion, por exemplo, sendo que este pode ser o único tipo de consumo a que elas têm acesso. Ao invés disso, não seria melhor difundir informações sobre como cuidar das roupas e fazê-las durarem mais? Nem todo mundo pode passar a consumir apenas cosméticos naturais e orgânicos porque essas coisas têm um custo muito mais alto, mas questionar a quantidade de produtos de beleza que se usa no dia-a-dia já seria um bom começo.

Em resumo, acho muito legal que o assunto minimalismo esteja se tornando mais conhecido do grande público e admiro qualquer iniciativa nesse sentido, como é o caso do documentário. Porém, como em qualquer outra coisa da vida, é preciso ter crítica e questionar todo tipo de “manual” que queira ditar regras e condições sobre como devemos viver. Não existe um conjunto de mandamentos que você precise seguir obrigatoriamente para adotar um estilo de vida mais simples, essa é uma decisão que só cabe a você. Minimalismo, para mim, é uma questão de escolha, de autocrítica e de muita reflexão, mas, sobretudo, é uma questão de equilíbrio.

* Imagem retirada daqui

Anúncios

BEDA #24 – Economia colaborativa

ECONOMIA COLABORATIVA: PORTAIS CONECTAM PESSOAS PARA COMPARTILHAR BENS E SERVIÇOS:

Existe um movimento na economia atual que se baseia no compartilhamento de recursos, em oposição às ideias de centralização e posse em vigor anteriormente. Trata-se do conceito de economia colaborativa, ou consumo colaborativo. Além disso, a economia colaborativa vai contra a ideia de que é necessário comprar e acumular bens a todo custo, uma vez que os produtos e serviços são compartilhados entre as pessoas. Essa nova forma de consumo traz diversos benefícios, pois diminui os impactos sociais e ambientais de produção e descarte de materiais (as coisas se tornam mais duráveis e há menos necessidade de produção), além de favorecer a conexão e o contato entre pessoas.

No nosso dia-a-dia, há vários exemplos de como podemos aderir à essa ideia e fazer melhor uso dos recursos disponíveis. Vou falar de alguns serviços que tenho utilizado e como tem sido minha experiência:

Bibliotecas
Livros são um ponto fraco de consumo para mim, pois adoro ler e quanto mais, melhor. Porém, há algum tempo tenho repensado a forma como consumo a literatura e vi que, ao invés de acumular livros que só vão ser lidos uma vez, é melhor fazer uso de livros compartilhados. Um bom exemplo são as bibliotecas públicas, que contam com um acervo de milhares de títulos e provavelmente vários dos que você gostaria de ler. Assim, você não precisa comprar um exemplar, basta pegar emprestado na biblioteca e devolver assim que terminar de ler.

Uber e Cabify
Além de utilizar o transporte público (oi, busão!), tenho usado muito esses serviços de transporte particular, que nada mais são do que formas de “alugar” o seu carro e a sua habilidade de direção para quem tem demanda de transporte. Além do preço ser bem mais acessível que táxi, esse tipo de serviço pode diminuir a quantidade de veículos nas ruas, diminuindo a poluição e aliviando o trânsito.

BlaBlaCar
É parecida com os serviços acima, porém essa plataforma conecta motoristas a pessoas que precisem de carona para outra cidade. Viajei no final do ano de BH para o interior e o valor pago nem se compara ao preço da passagem de ônibus entre as cidades. Além do conforto de ir de carro, também é uma boa forma de fazer amizades durante o trajeto.

Get Ninjas
Ao contrário dos anteriores, o foco aqui não está em produtos, mas sim em serviços. É uma plataforma de contratação de profissionais em diversas áreas para quem quer terceirizar determinada atividade. Sabe quando você precisa de alguém para executar um serviço específico e não tem nenhum contato? Por exemplo, para a festa de final de ano da firma, entramos em contato com profissionais de limpeza através da plataforma da GetNinjas e foi super tranquilo.

Grupos de troca e venda no Facebook
Outra forma de aderir à onda de consumo colaborativo é, ao invés de jogar fora as coisas que você não usa mais, vender para quem precisa daquele produto. Da mesma forma, se você está precisando de algum bem mas não quer gastar muito dinheiro, comprar usado de alguém pode ser uma excelente ideia. Além de plataformas como Enjoei e OLX (que eu nunca usei, então não posso opinar), existem ainda vários grupos no Facebook que facilitam a troca e a venda de coisas usadas. Se você for de BH, tenho algumas sugestões:
Troca, venda e doação de livros
Eu quero, eu tenho (UFMG/UEMG)

Esses são só alguns exemplos de como podemos incorporar as novas formas de consumo, menos baseadas em posse e mais em compartilhamento, no nosso cotidiano. Mas claro, existem muito mais. Esse modelo econômico está crescendo a cada dia e, ao que tudo indica, representa o futuro. Afinal, o consumismo exagerado está ficando fora de moda.

* Imagem retirada daqui

17629873_1319972661384518_3287602528063976838_n

O que é felicidade para você?

No feriado de Carnaval, aproveitei para ficar em casa e me integrar ao bloco “Unidos da Netflix”. Estava a fim de assistir algum documentário (adoro esse estilo) e, na busca, me deparei com o filme Happy. A obra de 2011 se propõe a investigar, pelos quatro cantos do mundo, o que é a felicidade genuína quais as causas que nos levam até ela (assistam, é muito legal!).

A parte do filme que mais me chamou a atenção é quando falam que nossa felicidade é determinada 50% por aspectos genéticos, 10% por circunstâncias como onde se vive, idade, status social, bens materiais, etc. e, pasme, 40% por ações intencionais (ou seja, por coisas que escolhemos fazer).

https://i2.wp.com/lounge.obviousmag.org/inspirese/porcentagens.png

Fiquei pensativa sobre o tema (adoro documentários porque eles causam isso em mim) e resolvi refletir sobre o que a felicidade significa para mim. Em um sentido mais amplo, acredito que a felicidade está em viver uma vida tranquila, com poucas preocupações, sem ansiedade, sem pressa.

Depois disso, fiquei pensando sobre alguns aspectos da minha vida que poderiam ser diferentes, coisas que eu poderia fazer para tornar meu dia-a-dia mais leve e feliz. Cheguei à conclusão de que algumas coisas só dependem de mim mesma para mudarem e resolvi listar algumas ações que pretendo colocar em prática:

  • Ouvir mais músicas calmas e relaxantes
  • Cuidar mais de mim mesma e do meu bem estar
  • Meditar e acalmar a mente com mais frequência
  • Voltar mais cedo e não trazer trabalho para casa
  • Aprender a filtrar as coisas ruins e absorver as boas
  • Me afastar de pessoas tóxicas (e não me deixar influenciar por aquelas de quem não posso me afastar)
  • Transformar preocupações em ações práticas – e depois relaxar
  • Me comunicar de forma não-violenta
  • Gastar menos dinheiro com coisas, e mais com experiências
  • Prestar mais atenção às belezas do dia-a-dia
  • Passar mais tempo de qualidade com as pessoas que eu amo

Algumas vezes nós nos deixamos atropelar pela rotina e acabamos não tomando o controle sobre as nossas próprias ações. Por isso, é sempre importante retomar essa reflexão e começar a agir de maneiras que nos aproximem mais do que entendemos por felicidade. Só depende de nós mesmos 😉

* Imagens retiradas daqui e daqui

TAG – Como me tornei minimalista

d6b61bf38720edc6c731a1c10e80c8c2

No final do ano passado a linda da Bruna me marcou para responder a TAG “Como eu me tornei minimalista” e hoje venho responder para vocês. Achei as perguntas muito interessantes e acho que vai ser uma boa contar minha história, de como entrei para este ~movimento~. Vamos lá?

  1. Primeiro, como resolvi me tornar “minimalista”?
    Eu já vinha me interessando pelo tema e acompanhando blogs sobre minimalismo há algum tempo, mas no dia 25/03/2014 eu decidi mergulhar de cabeça nesse estilo de vida mais simples. Criei um tumblr com o objetivo de fazer um diário para relatar minha caminhada e dividir experiências. Aos poucos a ideia inicial foi se modificando, tomando outra forma, e deu origem ao que o blog é hoje: um espaço para compartilhar minhas ideias e vivências que já não se prendem mais ~apenas~ ao minimalismo.

  2. Porque senti necessidade de mudar minha vida?
    Eu percebi que acumulava muitas coisas há anos, coisas que já não me faziam feliz e que já não tinham a ver comigo. E na categoria “coisas” estão inclusos objetos, roupas, ideias, sentimentos e tudo o mais que já não cabiam no meu momento. Por isso, resolvi mudar de vida e desapegar de várias dessas coisas que estavam me incomodando.

  3. Por onde comecei?
    Comecei pelo espaço físico. Na época eu dividia apartamento com a minha irmã e meu quarto era cheio de “cantinhos da bagunça”, com tralhas e coisas que, se fossem embora, não fariam a menor falta. Lembro que fiz uma verdadeira limpa no meu armário, doei roupas e sapatos que já não serviam mais ou que não tinham a ver com o meu estilo. Também desapeguei da minha coleção de revistas (que eu guardava desde a adolescência), o que foi mais doloroso porque envolvia valor sentimental. Depois dos desapegos físicos, comecei aos poucos a adquirir novos hábitos e a cada dia refletir mais sobre minhas ações e atitudes – e esse processo é mais complexo e demorado do que mudar o ambiente físico.

  4. Quanto tempo levou até que percebi a mudança de hábito?
    Depois de ter desapegado da maior parte das minhas tralhas físicas, a ficha começou a cair. Vi que meu quarto ficou muito mais espaçoso e, de uma forma que não consigo explicar, eu me senti mais leve. A partir daquele dia, vi que algo havia mudado em mim. Desde então, evito ao máximo o acúmulo de coisas. Também mudei muito da minha rotina, abdicando de hábitos antigos que já não me faziam bem e me abrindo para novos hábitos.

  5. Você implementou outras mudanças em sua vida?
    Sim, muitas. Na verdade, o minimalismo das coisas físicas foi só a ponta do iceberg. Passei a levar a sério a ideia de vida simples, e percebi que antes eu complicava demais (até mesmo a forma como lidava com meus sentimentos). Costumo dizer que comecei uma jornada em busca do minimalismo e acabei encontrando a mim mesma no caminho. Entrei em contato mais profundo comigo mesma, com minhas qualidades e falhas, e pude começar as mudanças que eu vinha adiando há tempos.

  6. Por fim, de todo esse processo, o que foi mais importante para você?
    Para mim, o mais importante foi justamente o autoconhecimento. Ao longo dessa jornada (lá se vão cerca de dois anos), abracei meus valores e entendi o que é realmente essencial na minha vida. Vi que os bens materiais são muito menos importantes do que a paz de espírito, o sossego e as coisas simples da vida. Posso dizer que o minimalismo me ajudou a me tornar uma pessoa melhor do que eu era antes, e a chegar mais perto da pessoa que eu quero ser no futuro. Tá pouco ou quer mais? 😛

É isso, galera. Indico essa TAG a todos que ainda não tiverem respondido. Adoro aprender com a experiência de outras pessoas! 😉

* Imagem retirada daqui