Minimalismo é uma questão de equilíbrio

aesthetic, alternative, city, cofee, grunge

Para quem acompanha blogs de minimalismo e se interessa pelo assunto como um todo, é comum ver na internet relatos de pessoas que abandonaram a vida “padrão” que levavam e decidiram virar nômades digitais, ou mesmo construir uma vida mais pacata no interior. Meu intuito aqui não é invalidar esse tipo de experiência, pelo contrário, pois considero de uma coragem imensa abandonar um estilo de vida que fomos treinados a vida toda para desejar em prol de um propósito maior. Mas será que só assim é possível viver o minimalismo em sua essência?

Recentemente assisti ao tão falado documentário Minimalism: A Documentary About the Important Things. Pra quem não sabe, o documentário foca na turnê de lançamento de um livro escrito por dois blogueiros especializados em minimalismo. Ao longo do filme, outros minimalistas famosos também dão seus depoimentos. Em sua maioria, os relatos enaltecem alguns aspectos como ter um número limitado de objetos ou abandonar empregos com salários altos para viver uma vida minimalista. Enfim, achei o documentário ok, mas talvez por já pesquisar sobre o assunto há um bom tempo, não me acrescentou nada de mais e com certeza não mudou minha vida.

Além disso, depois do filme, me peguei pensando sobre essa espécie de “cobrança” que existe no mundo do minimalismo, como se viver em uma cidade grande, ou ter um emprego em horário comercial, ou ter uma coleção de objetos favoritos fossem motivos para confiscarem minha carteirinha de minimalista, hahah. Na minha percepção, não é bem assim. Não importa quantos objetos você tenha, ou quanto você ganhe, ou onde você viva, se tudo o que está na sua vida tem um propósito, então você pode se considerar minimalista.

Eu, por exemplo, moro em uma capital, tenho um trabalho “tradicional”, de carteira assinada e em horário comercial. Moro em um apartamento sem área externa e meus móveis não são brancos no estilo escandinavo. Quando chego em casa cansada, minha casa às vezes fica uma bagunça. E tudo bem, sabe? Nada isso faz de mim menos minimalista. Em primeiro lugar, porque o minimalismo é um exercício diário, ele nunca chega a um estado da arte, e sim está em constante construção. Em segundo lugar, porque as pessoas são diferentes e não acredito em nenhum estilo de vida que estipule regras a serem seguidas.

Por fim, gostaria de acrescentar um outro ponto de vista que nem sempre é mostrado: certas atitudes tidas como minimalistas podem, sim, ser bastante classistas. Já parou para pensar que renunciar a um estilo de vida confortável (com carro, salário alto, poder de compra) é um privilégio de poucos? A grande maioria da população nem sequer tem acesso a esse tipo de coisa. Acho insensato rotular algumas pessoas como “superficiais” ou até mesmo “egoístas” quando compram roupas em um fast fashion, por exemplo, sendo que este pode ser o único tipo de consumo a que elas têm acesso. Ao invés disso, não seria melhor difundir informações sobre como cuidar das roupas e fazê-las durarem mais? Nem todo mundo pode passar a consumir apenas cosméticos naturais e orgânicos porque essas coisas têm um custo muito mais alto, mas questionar a quantidade de produtos de beleza que se usa no dia-a-dia já seria um bom começo.

Em resumo, acho muito legal que o assunto minimalismo esteja se tornando mais conhecido do grande público e admiro qualquer iniciativa nesse sentido, como é o caso do documentário. Porém, como em qualquer outra coisa da vida, é preciso ter crítica e questionar todo tipo de “manual” que queira ditar regras e condições sobre como devemos viver. Não existe um conjunto de mandamentos que você precise seguir obrigatoriamente para adotar um estilo de vida mais simples, essa é uma decisão que só cabe a você. Minimalismo, para mim, é uma questão de escolha, de autocrítica e de muita reflexão, mas, sobretudo, é uma questão de equilíbrio.

* Imagem retirada daqui

5 tendências minimalistas na decoração

Eu não sei vocês, mas eu adoro pesquisar sobre novidades e tendências de decoração. Se eu pudesse, ficaria horas e horas fuçando no Pinterest, que é uma fonte de inspiração e tanto para buscar dicas de decor. E foi no Pinterest mesmo que eu busquei essas 5 tendências que estão bombando e que, o melhor de tudo, super combinam com o estilo minimalista:

1. Terrários e suculentas
Ter plantas em casa é uma coisa muito boa, pois alegram o trazem vida para o ambiente. E é melhor ainda quando as plantas escolhidas são baratas, fáceis de encontrar e exigem poucos cuidados. Esse é o caso das suculentas que, em vasinhos ou em terrários, ficam lindas em qualquer ambiente.

Terrários.jpg

Fotos: 1, 2, 3, 4 e 5

2. Metais geométricos
Os metais estão em alta e também as formas geométricas poliédricas, como cubos, pirâmides, octaedros, icosaedros… O céu é o limite tanto nas formas quanto nas possibilidades de utilizá-los na decoração.

Geométricos.jpg

Fotos: 1, 2, 3, 4 e 5

3. Pendentes de macramê
Outra tendência que vem forte por aí é a utilização de objetos com uma pegada artesanal na decoração. Entre eles, os pendentes (ou hangers) de macramê. Macramê é uma técnica que utiliza linhas grossas e nós para tecer tramas e, o melhor de tudo, não usa nenhum tipo de ferramenta além das próximas mãos. DIY, alguém?

Hangers.jpg

Fotos 1, 2, 3, 4 e 5

3. Rose Quartz
Uma das cores escolhidas pela Pantone para o ano de 2016 justamente por trazer tranquilidade e bem estar não poderia faltar nas tendências de decoração, né? O rose quartz (ou rosa quartzo) é um tom pastel muito bonito e delicado e que combina super bem com cores neutras.

Rose quartz.jpg

Fotos 1, 2, 3, 4 e 5

4. Cobre/Rose Gold
Na mesma pegada da dica anterior, a cor metálica que fica entre o cobre e o rosa fica linda e combina com qualquer ambiente. De lâmpadas pendentes a objetos de mesa, o tom traz um ar de sofisticação e simplicidade.

Rose Gold.jpg

Fotos 1, 2, 3, 4 e 5

Vocês conseguem perceber que várias das tendências se cruzam nas fotos? Isso indica que todas estão realmente em alta e podem ser apostas para deixar a decoração da sua casa ainda mais bonita. O que mais me encanta nelas é que podem ser combinadas tanto com objetos coloridos quanto neutros, pois não brigam com o restante do ambiente. Estou adorando todas e não vejo a hora de usar as ideias na minha decoração! ❤

TAG – Como me tornei minimalista

d6b61bf38720edc6c731a1c10e80c8c2

No final do ano passado a linda da Bruna me marcou para responder a TAG “Como eu me tornei minimalista” e hoje venho responder para vocês. Achei as perguntas muito interessantes e acho que vai ser uma boa contar minha história, de como entrei para este ~movimento~. Vamos lá?

  1. Primeiro, como resolvi me tornar “minimalista”?
    Eu já vinha me interessando pelo tema e acompanhando blogs sobre minimalismo há algum tempo, mas no dia 25/03/2014 eu decidi mergulhar de cabeça nesse estilo de vida mais simples. Criei um tumblr com o objetivo de fazer um diário para relatar minha caminhada e dividir experiências. Aos poucos a ideia inicial foi se modificando, tomando outra forma, e deu origem ao que o blog é hoje: um espaço para compartilhar minhas ideias e vivências que já não se prendem mais ~apenas~ ao minimalismo.

  2. Porque senti necessidade de mudar minha vida?
    Eu percebi que acumulava muitas coisas há anos, coisas que já não me faziam feliz e que já não tinham a ver comigo. E na categoria “coisas” estão inclusos objetos, roupas, ideias, sentimentos e tudo o mais que já não cabiam no meu momento. Por isso, resolvi mudar de vida e desapegar de várias dessas coisas que estavam me incomodando.

  3. Por onde comecei?
    Comecei pelo espaço físico. Na época eu dividia apartamento com a minha irmã e meu quarto era cheio de “cantinhos da bagunça”, com tralhas e coisas que, se fossem embora, não fariam a menor falta. Lembro que fiz uma verdadeira limpa no meu armário, doei roupas e sapatos que já não serviam mais ou que não tinham a ver com o meu estilo. Também desapeguei da minha coleção de revistas (que eu guardava desde a adolescência), o que foi mais doloroso porque envolvia valor sentimental. Depois dos desapegos físicos, comecei aos poucos a adquirir novos hábitos e a cada dia refletir mais sobre minhas ações e atitudes – e esse processo é mais complexo e demorado do que mudar o ambiente físico.

  4. Quanto tempo levou até que percebi a mudança de hábito?
    Depois de ter desapegado da maior parte das minhas tralhas físicas, a ficha começou a cair. Vi que meu quarto ficou muito mais espaçoso e, de uma forma que não consigo explicar, eu me senti mais leve. A partir daquele dia, vi que algo havia mudado em mim. Desde então, evito ao máximo o acúmulo de coisas. Também mudei muito da minha rotina, abdicando de hábitos antigos que já não me faziam bem e me abrindo para novos hábitos.

  5. Você implementou outras mudanças em sua vida?
    Sim, muitas. Na verdade, o minimalismo das coisas físicas foi só a ponta do iceberg. Passei a levar a sério a ideia de vida simples, e percebi que antes eu complicava demais (até mesmo a forma como lidava com meus sentimentos). Costumo dizer que comecei uma jornada em busca do minimalismo e acabei encontrando a mim mesma no caminho. Entrei em contato mais profundo comigo mesma, com minhas qualidades e falhas, e pude começar as mudanças que eu vinha adiando há tempos.

  6. Por fim, de todo esse processo, o que foi mais importante para você?
    Para mim, o mais importante foi justamente o autoconhecimento. Ao longo dessa jornada (lá se vão cerca de dois anos), abracei meus valores e entendi o que é realmente essencial na minha vida. Vi que os bens materiais são muito menos importantes do que a paz de espírito, o sossego e as coisas simples da vida. Posso dizer que o minimalismo me ajudou a me tornar uma pessoa melhor do que eu era antes, e a chegar mais perto da pessoa que eu quero ser no futuro. Tá pouco ou quer mais? 😛

É isso, galera. Indico essa TAG a todos que ainda não tiverem respondido. Adoro aprender com a experiência de outras pessoas! 😉

* Imagem retirada daqui

Desafio: Mês do Mínimo

Less is more

Há algum tempo eu estava em busca de um novo desafio de minimalismo para me inspirar e vi no blog da Bárbara o desafio Mês do Mínimo. Ele consiste basicamente em tarefas diárias que envolvem destralhar e organizar áreas específicas da casa.

As atividades diárias são:

  1. Limpe sua caixa de entrada de emails
  2. 5 itens
  3. Limpe a gaveta da bagunça
  4. Destralhe sua mente
  5. Coleção de maquiagens
  6. “Unfollow” e “unfriend”
  7. Limpe sua cômoda/seu criado-mudo
  8. Sob a pia
  9. Enfeites de Natal
  10. Limpe as bancadas
  11. Livros
  12. Armário do banheiro
  13. Despensa
  14. Limpe sua geladeira
  15. Brinquedos
  16. Organize sua correspondência
  17. Desconecte-se do virtual
  18. Bolsa
  19. Lavanderia
  20. Materiais de artesanato
  21. Limpe seu carro
  22. Organize suas receitas
  23. Vasilhas de plástico
  24. Limpeza familiar
  25. Temperos
  26. Caixa de jóias
  27. Limpe seu armário
  28. Diminua o número de móveis
  29. Roupas de cama e banho
  30. Porão/sótão/garagem

Comecei no dia 01/11 e pretendo postar uma vez por semana contando o andamento do desafio, pois acho que assim crio um compromisso comigo mesma e me policio para cumprir as tarefas direitinho. Sinta-se à vontade para me acompanhar em mais essa jornada rumo ao minimalismo 🙂

* Imagem retirada daqui

Para baixar – Wallpapers minimalistas

Não sei vocês, mas eu adoro variar os papéis de parede do meu computador. Tenho uma pasta com várias imagens e sempre estou mudando para alguma que se encaixe ao meu humor no momento. Porém, todos os meus papéis de parede têm algo em comum: são simples e minimalistas.

Pensando nisso, resolvi criar alguns papéis de parede com frases inspiradoras nesse estilo para vocês baixarem. Basta clicar na imagem para ampliar e salvar:

Obra

Home

Rubem

DaVinci

Sorte

 

Espero que tenham gostado! 😀

Pretendo criar mais conteúdo para download, nesse estilo, aqui no blog, o que acham?

 

30 dias de Minimalismo: Semana 5

Dia 25: Não planeje nada para este dia
Neste dia meus pais vieram me visitar e, apesar de ter planejado algumas coisas (por exemplo, o horário que deveria sair de casa para encontrá-los na rodoviária), procurei não me programar muito e deixá-los mais livres para escolherem nossa programação para o final de semana.

Dia 26: Identifique o que te causa estresse
Atualmente, as coisas que mais me causam estresse são:
Trabalho que não é o dos sonhos
• Ter que fazer as coisas com pressa e, mesmo assim, não ter tempo
• Pessoas das quais não gosto, mas com quem preciso lidar
• Trânsito

Dia 27: Limpe a sua “gaveta da bagunça”
A minha “gaveta da bagunça” fica no criado-mudo e nela eu guardo materiais de costura e artesanato (linhas, barbantes, tesoura, canetinhas, etc.). Limpei, organizei e agora consigo achar tudo mais facilmente.

Dia 28: Abandone uma meta
Uma das metas que eu havia traçado para este ano era de adotar a técnica low-poo para cuidar dos cabelos (aqui tem um post do Coisas de Diva explicando do que se trata). Desde o início do ano venho utilizando apenas produtos indicados para esta técnica, porém, não obtive nenhum resultado expressivo. Em primeiro lugar, são poucos produtos que “podem” ser usados e a maioria deles tem preço bem acima dos que eu costumava comprar. Além disso, acredito que a técnica seja mais indicada mesmo para cabelos cacheados e crespos, pois para o meu cabelo (liso na raiz e ondulado nas pontas) não vi grande diferença. Assim, resolvi abandonar esta meta.

Dia 29: Desligue as notificações
Desativei as notificações no celular e passei metade do dia com meu namorado e um amigo nosso, jogando e conversando, por isso nem senti falta das redes sociais. No restante do dia, acessei os blogs que acompanho e só entrei no Facebook pelo computador.

Dia 30: Avalie suas 5 últimas compras
Minhas 5 últimas compras foram:
• Dia 27/04: Comida – Fui ao supermercado e comprei macarrão “Meu Menu” Perdigão para o jantar
• Dia 28/04: Comida – Fui ao shopping com meu namorado e comemos no Burger King
• Dia 30/04: Comida – Fui encontrar um amigo no shopping e não resisti ao Mc Donalds.
• Dia 02/05: Comida – Pedimos marmitex no almoço e à noite pedimos pizza.
• Dia 03/05: Compras do mês – Absolutamente necessárias. Já estávamos ficando sem comida em casa, haha
Não preciso nem falar que comer fora é a coisa com que mais tenho gastado ultimamente. Confesso que é desgastante preparar o jantar todos os dias e que nessa semana eu não havia planejado um menu semanal, o que contribuiu ainda mais para a minha preguiça. Ter analisado essas compras me fez ter consciência de que estou gastando muito com coisas desnecessárias e também de que estou ingerindo muito mais fast food do que deveria. Preciso retomar a rotina de hábitos alimentares saudáveis urgentemente!

Considerações finais:
Participar do desafio foi uma experiência bem interessante, que me ajudou a avaliar a forma como lido com as tarefas do dia-a-dia, principalmente acerca dos meus hábitos. A boa notícia é que as tarefas propostas no desafio não são muito diferentes do que já estou acostumada a fazer, como por exemplo, destralhar objetos e contatos que pouco acrescentam nas redes sociais. Recomendo o desafio principalmente para quem não tem o costume de rever seus hábitos, pois esta pode ser uma boa maneira de se ingressar no fantástico mundo do minimalismo! 😀

30 dias de Minimalismo: Semana 4

Quer acompanhar como foi a penúltima semana do desafio? Então vem comigo!

Dia 18: “Unfollow” e “unfriend”
Revi meus contatos em todas as redes sociais. No Facebook, no Instagram e no Youtube, eu já havia feito essa “limpa” no final do ano passado e não vi necessidade em deixar de seguir ninguém. No Twitter, deixei de seguir alguns perfis que postam pouco ou que não me interessam mais.

Dia 19: Saia para uma caminhada e exercite sua consciência
Fuén, não cumpri. Meu irmão veio me visitar e preferi passar o tempo com ele (bem que podia ter chamado ele para uma caminhada, né?). Enfim, falhei.

Dia 20: Não assista TV por um dia (leia, ao invés disso)
Não assisti. Aproveitei a emenda do feriado para acordar mais tarde e em seguida saí para resolver algumas coisas. Fiquei fora quase o dia todo e por isso nem senti muita falta de tv.

Dia 21: Escreva por 20 minutos
Aproveitei para escrever e programar alguns posts para o blog, que devem ir ao ar nos próximos dias.

Dia 22: Crie uma rotina relaxante para a hora de dormir
Eu confesso que sofro muito com a rotina noturna (só a ideia de fazer tudo para deixar o dia seguinte preparado já me estressa), por isso é difícil relaxar. O que procuro fazer é:
• Tomar banho
• Conversar com meu namorado
• Ler

Dia 23: Saia sem maquiagem
Olha só, vou ser sincera. Justo nesse dia eu teria uma reunião importante no trabalho e nessas ocasiões acho bacana me preocupar mais com o visual, escolher uma roupa mais formal, me maquiar, etc. Não vejo problema em usar maquiagem, desde que não se torne exagero ou uma necessidade absoluta (eu já fui assim, fica a dica). Mas normalmente não vou trabalhar maquiada, este dia foi uma exceção.

Dia 24: Pratique gratidão
Me sinto grata diariamente por tudo o que tenho (coisas e não-coisas), isso se tornou um hábito. Nesse dia em específico, recebi a notícia de que meus pais viriam me visitar. Fiquei muito feliz por tê-los do meu lado (apesar da convivência com eles não ser exatamente fácil). Passamos bons momentos juntos e me senti – e sinto – muito grata por isso.

Na semana que vem eu vou relatar como foram os últimos dias do desafio e também como foi a experiência, como um todo, para mim. Se você quer saber como termina, continue acompanhando, aqui, neste mesmo horário, neste mesmo canal. 😛